Ansiedade na Gravidez: Quando Ela se Torna um Problema?

É provável que desde que descobriu que estava grávida, você lide com ansiedade na gravidez.

Isso porque a sua rotina e o seu corpo passarão por diversas mudanças nesse período único da sua vida.

Mas então será que tem como evitar a ansiedade na gravidez ou modos de lidar com ela?

Nesse artigo, você vai ler sobre o que pode estar envolvido durante a gestação e que pode causar ansiedade.

Além disso, vamos falar sobre quando é hora de pedir ajuda e algumas dicas práticas que podem ajudá-la.

É normal sentir ansiedade na gravidez?

A ansiedade é uma reação natural do nosso corpo. Por isso, sentir ansiedade na gravidez é muito comum para muitas mulheres, afinal, esse momento envolve muitas mudanças e expectativas que podem trazer à tona graus de incerteza. No entanto, é importante saber reconhecer quando esse sentimento se torna prejudicial a você e seu bebê.

Por que ficamos ansiosas na gestação?

Em geral, ansiedade é um sentimento normal nos seres humanos frente a mudanças, incertezas ou medos.

Por isso, mesmo que seja um momento de alegria para muitas pessoas, todo o processo da gestação pode causar ansiedade.

Isso porque além das mudanças na família com a chegada de um novo bebê, o seu corpo também passa por alterações hormonais que podem deixá-la mais triste ou ansiosa.

Os hormônios que estão relacionados a essas mudanças de humor são a progesterona e o estrogênio.

Portanto, as mudanças corporais, os medos e as expectativas podem gerar a ansiedade na gestação.

Além disso, esse sentimento pode estar associado a questões como (1,2,3):

  • Gestação não planejada
  • Inseguranças sobre ser mãe
  • Ser a primeira gestação
  • Preocupações com a nova rotina com o bebê
  • Saúde do recém-nascido
  • Histórico de aborto em gestações anteriores
  • Relações familiares conflituosas
  • Medo de complicações no parto

Quais os sintomas de ansiedade na gravidez?

De maneira geral, as mulheres grávidas apresentam os seguintes sintomas (alguns dos quais podem coincidir com sintomas de ansiedade em geral) (4):

  • Oscilações de humor
  • Palpitação (batimentos do coração mais acelerados)
  • Sensação de falta de ar
  • Insônia
  • Dores de cabeça ou no estômago
  • Pesadelos recorrentes
  • Pensamentos negativos
  • Irritabilidade
  • Preocupação excessiva

Complicações da ansiedade na gravidez

A ansiedade e gravidez pode não ser uma boa combinação para você e seu bebê.

Isso porque altos níveis de ansiedade e estresse podem prejudicar o desenvolvimento infantil, causando por exemplo: parto prematuro e baixo peso ao nascer (5).

Além disso, as mulheres que passam por isso, podem ter maiores chances de desenvolver depressão pós-parto (6).

Quando procurar ajuda?

Em geral, você deve procurar ajuda quando sentir que a ansiedade e a preocupação estão atrapalhando o seu dia a dia.

Além disso, observe se os sintomas da ansiedade estão muito intensos e persistentes.

Nesses casos, o acompanhamento psicológico é muito recomendado para explorar as possíveis causas da ansiedade e como lidar com ela.

Por fim, é importante saber que nos casos mais graves, pode haver necessidade de combinar a terapia com medicamentos.

No entanto, as medicações que se indicam para transtornos de ansiedade precisam ser utilizadas com maior cuidado durante a gravidez.

Pois alguns medicamentos podem dar origem a problemas no desenvolvimento do bebê ou na amamentação, a depender do momento da gestação em que são usados (7).

Por isso, é essencial o acompanhamento com um médico psiquiatra nestes casos.

Como diminuir a ansiedade: dicas práticas

Muitas vezes, com medidas simples você pode diminuir a ansiedade na gravidez, por exemplo:

  • Tire as suas dúvidas sobre a gestação e parto com um profissional da saúde, isso pode ajudá-la a superar os medos relacionados a essa etapa
  • Pratique exercícios físicos de leve intensidade (8)
  • Converse com seu parceiro e sua família sobre suas expectativas depois do parto
  • Tenha uma dieta equilibrada
  • Não fique muito sozinha quando estiver triste

Este artigo te ajudou?

Graduanda em enfermagem pela Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB - UNESP). Entrei na faculdade movida pela paixão e vocação de cuidar e ajudar as pessoas.Aqui no Vitalismo, tive oportunidade de alcançar e ajudar muitas pessoas além de meus pacientes.Desde o início da faculdade, minha área de interesse e vocação é a saúde da mulher (ginecologia e obstetrícia). Por isso, sempre estive envolvida em projetos de iniciação científica e de extensão que abordassem essa temática.Já fui presidente da liga de ginecologia da UNESP, organizei eventos e simpósios sobre o tema.Atualmente sou coordenadora do projeto Papo de Parto, em parceria com a UNESP e PROEX. Além disso, se você estiver em algum evento de ginecologia e obstetrícia, pode me procurar pois estarei lá!

William Fan (Revisor)

William Fan é médico graduado pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) - Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB). Fez estágios clínicos em Oncologia Clínica e Medicina de Emergências na Prince of Wales Hospital, afiliada da University of New South Wales, Sydney, Australia (UNSW) e que faz parte do prestigiado Group of Eight, grupo que reúne as 8 instituições líderes de excelência em ensino e pesquisa da Austrália. Além disso, colaborou no desenvolvimento de um projeto científico da Centre for Vascular Research, na UNSW. Tem também publicações científicas em periódicos (revistas) internacionais de impacto na comunidade científica em áreas de pesquisa experimental e pesquisa clínica, abrangendo as áreas de biologia do câncer, doenças cardiovasculares, além de ser co-autor de uma revisão sistemática e meta-análise. Foi certificado pelo programa Sharpen Your Communication Skills da Stanford Graduate School of Business. Atualmente é revisor científico do Vitalismo e entusiasta da conciliação entre as pesquisas científicas com os melhores níveis de evidência e o desenvolvimento de tecnologias para melhorar a saúde das pessoas. Nos momentos livres, gosta de estudar idiomas (atualmente fala Inglês, Chinês Mandarim e Alemão), fazer leituras, acompanhar debates inteligentes, jogar basquete e experimentar diferentes culinárias.

Este artigo não possui comentários
      Deixe seu comentário

      O seu endereço de email não será publicado.