O Que a Ansiedade Causa no Corpo: Sintomas e Manifestação

Entender o que a ansiedade causa no corpo envolve conhecer as variações existentes entre os diferentes tipos de transtornos de ansiedade.

Por exemplo, alguns sintomas que se expressam de maneira intensa em um tipo de ansiedade, podem estar ausentes em outros.

Além disso, é possível que duas pessoas que sofrem do mesmo tipo de transtorno de ansiedade apresentem sintomas distintos.

Nesse sentido, uma pessoa com transtorno de ansiedade generalizada (TAG) pode sentir os batimentos do coração acelerados enquanto que uma outra, também com TAG, sinta somente desconforto abdominal.

Neste artigo, você conhecerá mais detalhes sobre o que a ansiedade causa no corpo.

O que a ansiedade causa no corpo?

A ansiedade causa no corpo uma série de sintomas psicossomáticos (aqueles que têm origem em desordens mentais e resultam em sintomas físicos), os quais incluem:

  • Dores de cabeça (1)
  • Fadiga ou cansaço
  • Falta de ar
  • Desconforto gastrointestinal (como dor de barriga, diarréia)
  • Tensão muscular
  • Palpitação (batimentos do coração mais fortes ou mais rápidos)

Por exemplo: uma pessoa com aracnofobia (medo intenso de aranhas), pode ter uma crise aguda de dor de cabeça e palpitação quando se depara com este animal.

Como saber se meus sintomas são de ansiedade?

Se os sintomas psicossomáticos que você apresenta se dão em paralelo a sintomas psíquicos (como medo, angústia e dificuldade de concentração), é provável que você tenha sintomas de ansiedade.

Ainda que pareça muito confuso identificar se sua dor de cabeça é ansiedade ou não, a ajuda de um especialista pode ser a solução dos seus problemas.

Possibilidades de manifestação dos sintomas da ansiedade no corpo

Às vezes, a manifestação dos sintomas psicossomáticos não ocorre próxima a um evento de estresse intenso.

Nesse sentido, é possível que você já tenha passado pela situação e duas semanas depois, venha a ter uma crise muito forte de dor de cabeça.

Além disso, também é possível que você não tenha passado pela situação que o deixa ansioso e, ainda assim, apresenta quadro de palpitação.

Ou então, eventualmente cria-se um cenário no qual você começa a ter muita dificuldade de concentração e dores de cabeça constantes, embora não haja um evento específico que gere sintomas de estresse.

Sendo assim, perceba que o que a ansiedade causa no corpo pode variar bastante de uma pessoa para a outra.

Por isso, fique atento aos sinais e não hesite em procurar atendimento médico se sentir que precisa de ajuda.

Opções de tratamento

Primordialmente, é indicado que você procure um especialista para o tratamento deste quadro.

No entanto, caso você só tenha acesso à atenção primária (como postos de saúde ou clínicas de medicina de família) consulte um médico clínico geral ou médico de família.

Ele poderá fazer um encaminhamento para um profissional da área da saúde mental, a depender da avaliação realizada.

Além disso, atitudes como praticar exercícios físicos e mudar sua rotina, embora que de forma mínima, podem auxiliar na melhora do seu quadro.

Dessa forma, converse com seu médico para entender melhor sobre as opções de tratamento do quadro.

Outras considerações sobre o que a ansiedade causa no corpo

Por fim, saiba: não é vergonha ter ansiedade e você, com certeza, não é o único nesta situação.

Atualmente, mais de 260 milhões de pessoas apresentam sintomas do quadro no mundo todo (2).

É muita gente, não é mesmo?

Por isso, mesmo que seja um desafio identificar o que a ansiedade causa no corpo, fique ligado aos sinais e não deixe de buscar ajuda.

Além disso, não demore, pois a sua vida vale muito.

E, ainda que o caminho possa ser longo e tortuoso, a recompensa será grandiosa.

Este artigo te ajudou?
(Autor)

William Fan é médico graduado pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) - Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB). Fez estágios clínicos em Oncologia Clínica e Medicina de Emergências na Prince of Wales Hospital, afiliada da University of New South Wales, Sydney, Australia (UNSW) e que faz parte do prestigiado Group of Eight, grupo que reúne as 8 instituições líderes de excelência em ensino e pesquisa da Austrália. Além disso, colaborou no desenvolvimento de um projeto científico da Centre for Vascular Research, na UNSW. Tem também publicações científicas em periódicos (revistas) internacionais de impacto na comunidade científica em áreas de pesquisa experimental e pesquisa clínica, abrangendo as áreas de biologia do câncer, doenças cardiovasculares, além de ser co-autor de uma revisão sistemática e meta-análise. Foi certificado pelo programa Sharpen Your Communication Skills da Stanford Graduate School of Business. Atualmente é revisor científico do Vitalismo e entusiasta da conciliação entre as pesquisas científicas com os melhores níveis de evidência e o desenvolvimento de tecnologias para melhorar a saúde das pessoas. Nos momentos livres, gosta de estudar idiomas (atualmente fala Inglês, Chinês Mandarim e Alemão), fazer leituras, acompanhar debates inteligentes, jogar basquete e experimentar diferentes culinárias.

William Fan (Revisor)

William Fan é médico graduado pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) - Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB). Fez estágios clínicos em Oncologia Clínica e Medicina de Emergências na Prince of Wales Hospital, afiliada da University of New South Wales, Sydney, Australia (UNSW) e que faz parte do prestigiado Group of Eight, grupo que reúne as 8 instituições líderes de excelência em ensino e pesquisa da Austrália. Além disso, colaborou no desenvolvimento de um projeto científico da Centre for Vascular Research, na UNSW. Tem também publicações científicas em periódicos (revistas) internacionais de impacto na comunidade científica em áreas de pesquisa experimental e pesquisa clínica, abrangendo as áreas de biologia do câncer, doenças cardiovasculares, além de ser co-autor de uma revisão sistemática e meta-análise. Foi certificado pelo programa Sharpen Your Communication Skills da Stanford Graduate School of Business. Atualmente é revisor científico do Vitalismo e entusiasta da conciliação entre as pesquisas científicas com os melhores níveis de evidência e o desenvolvimento de tecnologias para melhorar a saúde das pessoas. Nos momentos livres, gosta de estudar idiomas (atualmente fala Inglês, Chinês Mandarim e Alemão), fazer leituras, acompanhar debates inteligentes, jogar basquete e experimentar diferentes culinárias.

Este artigo não possui comentários
      Deixe seu comentário

      O seu endereço de email não será publicado.