O que é Dieta Mediterrânea e Quais são suas Características?

    Dentre as várias dietas que existem, um padrão alimentar que parece ser saudável é a dieta mediterrânea ou dieta do mediterrâneo.

    Já que suas características favorecem uma alimentação com grande variedade.

    Mas não existe uma forma padrão exata dessa dieta, pois ela pode variar muito de um lugar para o outro.

    Sendo assim, iremos conhecer mais sobre os princípios da dieta mediterrânea e quais são suas vantagens e desvantagens.

    Assim como seus principais aspectos comuns.

    Também veremos porque esse padrão alimentar pode trazer benefícios para a saúde.

    O que é dieta mediterrânea?

    A dieta mediterrânea é um estilo de alimentação baseado em tradições de países ao redor do Mar Mediterrâneo, como a França, Grécia, Itália e Espanha. Caracteriza-se por ter muitos alimentos de origem vegetal e azeite de oliva como importante fonte de gordura (1). Entretanto, não existe uma definição certa para essa dieta porque a alimentação pode variar de um país para outro e de região. Além disso, é reconhecida por ajudar no controle ou prevenção de doenças cardiovasculares (2).

    Por outro lado, existem alguns fatores em comum que a caracterizam.

    Características da dieta mediterrânea

    • É uma alimentação rica em frutas, legumes, verduras e cereais integrais
    • Possui peixes, aves, ovos e feijão na dieta semanalmente
    • Laticínios são consumidos de forma moderada
    • Possui ingestão menor de carnes vermelhas
    • Tem o azeite de oliva como principal fonte de gordura
    • Baixa ingestão de gordura saturada

    Com isso, percebe-se que é um estilo que tem como base alimentos de origem vegetal (3).

    Nessa dieta, recomenda-se também fazer as refeições com familiares e amigos, além de tomar uma taça de vinho tinto e praticar atividade física.

    No entanto, o vinho possui álcool, então, seu consumo deve ser moderado.

    Dieta mediterrânea e saúde

    Na década de 1960 a dieta do mediterrâneo começou a ser estudada devido a uma observação sobre as mortes por doença coronariana (4,5).

    Nessa observação, foi constatado que o número de mortes nos países do mediterrâneo era menor em comparação com os Estados Unidos e o norte da Europa.

    Dessa forma, até hoje esse padrão alimentar vem sendo estudado.

    Assim sendo, uma das recomendações para quem procura ter saúde é adotar a dieta mediterrânea (6).

    Já que ela pode prevenir doenças que afetam o coração.

    Além disso, também pode ajudar a reduzir fatores de risco (7) para outras doenças como:

    Como podemos ver, esse estilo de alimentação pode ser muito bom para a saúde.

    Mas será que é viável adotar essa dieta?

    Dieta mediterrânea: vantagens e desvantagens

    Vantagens:

    • Abrange vários grupos de alimentos
    • É mais fácil de seguir em comparação com dietas restritivas
    • Há uma infinidade de opções culinárias

    Desvantagens:

    • Pode ser mais custosa financeiramente para seguir
    • Não tem como alvo a perda de peso
    • Pode levar mais tempo para cozinhar, pois a base da alimentação é de alimentos vegetais

    Sendo assim, se você pensa em mudar sua alimentação para a dieta do mediterrâneo, vale a pena pensar em como é seu contexto de vida (8).

    Pois ela pode não ser viável para o momento.

    Além disso, essa dieta tem como base tradições de outros países.

    Dessa forma, adotar uma alimentação saudável não é seguir a melhor dieta que existe.

    Mas sim, considerar a cultura, a economia, as preferências alimentares e produções agrícolas mais sustentáveis para a manutenção da saúde (9).

    Então, não deve se seguir a dieta mediterrânea?

    De modo geral, isso depende do seu contexto.

    Se for viável para você adotá-la, ela pode sim ser seu padrão alimentar.

    Aliás, saiba que é possível introduzir elementos dessa dieta na alimentação, sem a necessidade de seguir rigorosamente tudo que ela preconiza.

    De qualquer modo, não deixe de consultar um nutricionista, caso tenha interesse em buscar recomendações específicas para a sua dieta.

    Este artigo te ajudou?

    Nutricionista pela Faculdade de Ciências Aplicadas - Unicamp com curso de Abordagens comportamentais no Atendimento Nutricional e pós graduação em Aperfeiçoamento de Nutrição Esportiva e Obesidade pela Universidade de São Paulo - Ribeirão Preto.

    William Fan (Revisor)

    William Fan é médico graduado pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) - Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB). Fez estágios clínicos em Oncologia Clínica e Medicina de Emergências na Prince of Wales Hospital, afiliada da University of New South Wales, Sydney, Australia (UNSW) e que faz parte do prestigiado Group of Eight, grupo que reúne as 8 instituições líderes de excelência em ensino e pesquisa da Austrália. Além disso, colaborou no desenvolvimento de um projeto científico da Centre for Vascular Research, na UNSW. Tem também publicações científicas em periódicos (revistas) internacionais de impacto na comunidade científica em áreas de pesquisa experimental e pesquisa clínica, abrangendo as áreas de biologia do câncer, doenças cardiovasculares, além de ser co-autor de uma revisão sistemática e meta-análise. Foi certificado pelo programa Sharpen Your Communication Skills da Stanford Graduate School of Business. Atualmente é revisor científico do Vitalismo e entusiasta da conciliação entre as pesquisas científicas com os melhores níveis de evidência e o desenvolvimento de tecnologias para melhorar a saúde das pessoas. Nos momentos livres, gosta de estudar idiomas (atualmente fala Inglês, Chinês Mandarim e Alemão), fazer leituras, acompanhar debates inteligentes, jogar basquete e experimentar diferentes culinárias.

    Este artigo não possui comentários
        Deixe seu comentário

        O seu endereço de email não será publicado.