Fígado de Boi: Uma Fonte de Proteínas e Vitaminas ao Corpo

O fígado de boi é considerado um “superalimento”.

Você sabia disso?

Essa denominação é dada a alimentos que possuem uma alta concentração de nutrientes.

E o fígado de boi é uma carne que possui uma das maiores densidades de nutrientes dentre todos os alimentos.

Aliás, não só o de boi, mas como o da maior parte dos animais.

Como esse é um corte acessível para grande parte da população e é rico em nutrientes, tê-lo na alimentação pode ser muito proveitoso.

Nesse artigo você verá os nutrientes do fígado e quais são as contraindicações dele.

Quais os benefícios do fígado de boi?

Os benefícios do fígado de boi incluem combater a anemia, fornecer proteínas de boa qualidade e suprir as necessidades diárias de diversas vitaminas e minerais. Uma vez que ele é um alimento com alta concentração de nutrientes.

Além de ser um alimento com alto teor de vitaminas e minerais, ele possui menos gordura do que outros cortes bovinos.

Do total de calorias presentes no fígado, cerca de 25% provém de gorduras.

Enquanto em outros cortes essa porcentagem fica em torno de 50 – 60%.

Nutrientes do fígado de boi

Se você nunca viu a quantidade de nutrientes de um bife de fígado, você irá se surpreender.

Cerca de 100g de fígado contém aproximadamente:

  • Vitamina B12: 3400% da ingestão diária recomendada (IDR). Ela é responsável pela formação de novas células sanguíneas
  • Cobre: 1600% da IDR. Esse mineral ajuda no metabolismo de energia, transporte de ferro, sistema imune e diversas outras funções
  • Vitamina A: 860% da IDR. Importante na reprodução, visão e sistema imune
  • Ferro: 80% para pessoas em geral e 35% da IDR para mulheres durante a menstruação
  • Riboflavina (Vitamina B2): 210% da IDR. Ela é importante no desenvolvimento das células
  • Vitamina B9: 65% da IDR. Atua no crescimento celular e na formação do DNA

Além disso, mais de um quarto dele é composto por proteínas.

Realmente é uma quantidade muito grande de nutrientes em tão pouca quantidade de carne.

Não é mesmo?

Funções do fígado no organismo

Esse órgão desempenha basicamente três funções:

  • Processar alimentos digeridos
  • Filtrar o sangue de toxinas e drogas
  • Armazenar nutrientes e minerais

Dadas as funções dele no organismo, é preciso analisar os impactos disso no seu consumo.

E é isso o que veremos agora.

Senso comum sobre o fígado de boi

Por atuar diretamente na remoção de toxinas, o fígado bovino tem a fama de reter essas substâncias.

Mas isso não é significante para evitar de comê-lo.

Ainda mais quando comparado com a quantidade de outros bons nutrientes que ele contém.

Afinal, o fígado não tem como objetivo armazenar as toxinas que ele filtra.

A função dele é retirar essas substâncias do corpo.

Por conta disso, não fique preocupado de que ao comê-lo você estará ingerindo as toxinas que estavam no organismo do animal.

Outro ponto é o colesterol.

O fígado de boi contém uma alta quantidade dessa substância.

Portanto, ele é associado ao aumento do colesterol.

Porém, quando o corpo nota que houve consumo dessa substância, ele produz menos colesterol no organismo para equilibrar a quantidade.

Vale ressaltar que se você já possui um colesterol alto, consulte seu médico e nutricionista para saber as quantidades adequadas de consumo.

Pessoas que devem evitar o fígado de boi

Três grupos de pessoas devem evitar comer fígado.

  • Mulheres grávidas: pois a vitamina A pode ser prejudicial ao desenvolvimento do bebê
  • Pessoas que sofrem de gota (inflamação nas articulações): uma vez que o consumo dessa carne pode agravar os sintomas
  • Pessoas com colesterol elevado: esse grupo deve consultar o médico antes de comer esse alimento

Em conclusão, para o resto das pessoas o fígado de boi é uma excelente fonte de proteínas, vitaminas e minerais.

O que é ótimo para quem busca ter uma vida mais saudável.

Este artigo te ajudou?
William Fan (Revisor)

William Fan é médico graduado pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) - Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB). Fez estágios clínicos em Oncologia Clínica e Medicina de Emergências na Prince of Wales Hospital, afiliada da University of New South Wales, Sydney, Australia (UNSW) e que faz parte do prestigiado Group of Eight, grupo que reúne as 8 instituições líderes de excelência em ensino e pesquisa da Austrália. Além disso, colaborou no desenvolvimento de um projeto científico da Centre for Vascular Research, na UNSW. Tem também publicações científicas em periódicos (revistas) internacionais de impacto na comunidade científica em áreas de pesquisa experimental e pesquisa clínica, abrangendo as áreas de biologia do câncer, doenças cardiovasculares, além de ser co-autor de uma revisão sistemática e meta-análise. Foi certificado pelo programa Sharpen Your Communication Skills da Stanford Graduate School of Business. Atualmente é revisor científico do Vitalismo e entusiasta da conciliação entre as pesquisas científicas com os melhores níveis de evidência e o desenvolvimento de tecnologias para melhorar a saúde das pessoas. Nos momentos livres, gosta de estudar idiomas (atualmente fala Inglês, Chinês Mandarim e Alemão), fazer leituras, acompanhar debates inteligentes, jogar basquete e experimentar diferentes culinárias.

Este artigo não possui comentários
      Deixe seu comentário

      O seu endereço de email não será publicado.