Angina: Pode ser um Infarto? Quais as Causas e os Tipos?

A angina é um sintoma de dor no peito.

Além disso, ela ocorre quando não ocorre a chegada de oxigênio suficiente que é carregada pelo sangue até o músculo do coração.

Portanto, ela pode ocorrer em situações que exigem que o seu coração trabalhe mais.

Por exemplo, durante um esforço físico, uma situação estressante, no frio intenso.

Ou seja, a presença de angina pode ser um importante sinal de alarme de que algo mais grave pode acontecer.

Mas calma, pois nem sempre significa que você já está correndo risco de vida.

Afinal, há diferentes tipos de angina.

E é sobre os diferentes tipos que eu vou contar mais adiante.

O que causa angina?

O principal motivo é a aterosclerose. Ou seja, ocorre a formação de placas dentro dos vasos sanguíneos (artérias) e que podem impedir a passagem de sangue que leva oxigênio. Portanto, tudo que aumenta o risco de você ter aterosclerose, pode levar ao surgimento da angina. Sendo assim, vamos ver alguns desses fatores de risco:

  • Pressão alta (hipertensão)
  • Colesterol alto
  • Triglicerídeos alto (um tipo de gordura que corre pelo sangue)
  • Tabagismo (uso de cigarro e outras fontes de tabaco)
  • Resistência à insulina e diabetes
  • Obesidade (estar acima do peso saudável)
  • Sedentarismo (estar sem praticar atividades físicas)
  • História prévia na família

Como é a dor da angina?

Primeiramente, é importante destacar que existem dois tipos principais de angina: estável (mais comum) e instável (mais grave). Este sintoma tem como características:

  • Sensação de aperto, pressão, queimação, sufocamento ou dor no peito
  • Localização mal definida (é difícil de apontar com um dedo onde está o sintoma)
  • Pode se espalhar para o ombro e braço esquerdo, o pescoço, a mandíbula (parte baixa do rosto) e as costas
  • Pode vir acompanhada de falta de ar, tontura, mal-estar
  • Costuma voltar a ocorrer ao longo do tempo

No caso de angina estável (ou angina pectoris), este sintoma costuma se iniciar após esforço físico ou estresse emocional (1).

Além disso, dura poucos minutos (cerca de 5 minutos), pode também lembrar a sensação de gases ou indigestão e costuma melhorar com repouso ou uso de um medicamento (nitroglicerina).

No entanto, na angina instável, o sintoma surge durante o estado de repouso (em descanso, dormindo ou com movimentos de mínimo esforço).

Além disso, aparece de modo que causa surpresa, de forma súbita, podendo ter uma duração mais prolongada.

E não costuma melhorar com uso de medicamentos e nem com repouso.

Por fim, saiba que é um sintoma grave e que pode piorar ao ponto de virar um infarto do coração (ataque cardíaco).

Qual a diferença entre angina e ataque cardíaco?

A angina é o sintoma que ocorre por conta do fluxo de sangue e oxigênio abaixo das necessidades do seu coração.

Enquanto que o ataque cardíaco é a interrupção repentina do fluxo de sangue para o coração. Neste caso, parte do músculo do coração morre (infarto) (2).

Portanto, quem tem angina também tem risco de em algum momento vir a sofrer um ataque cardíaco.

Como posso prevenir doenças do coração?

Mantenha bons hábitos de vida como:

  • Dieta balanceada
  • Diminuir ingestão de bebidas alcoólicas
  • Parar o tabagismo (cigarro ou outras fontes de tabaco)
  • Perder peso (se estiver acima do peso)
  • Atividade física regular

Quando procurar assistência médica?

Sempre que você suspeitar que está com angina, você deve procurar seu médico para receber orientações de exames e tratamentos específicos.

Se a dor ou desconforto for muito prolongado (mais de alguns minutos) e intenso, procure imediatamente um serviço de emergências ou ligue para uma ambulância. No Brasil, você pode acionar o SAMU pelo número 192.

Este artigo te ajudou?
(Autor)

William Fan é médico graduado pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) - Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB). Fez estágios clínicos em Oncologia Clínica e Medicina de Emergências na Prince of Wales Hospital, afiliada da University of New South Wales, Sydney, Australia (UNSW) e que faz parte do prestigiado Group of Eight, grupo que reúne as 8 instituições líderes de excelência em ensino e pesquisa da Austrália. Além disso, colaborou no desenvolvimento de um projeto científico da Centre for Vascular Research, na UNSW. Tem também publicações científicas em periódicos (revistas) internacionais de impacto na comunidade científica em áreas de pesquisa experimental e pesquisa clínica, abrangendo as áreas de biologia do câncer, doenças cardiovasculares, além de ser co-autor de uma revisão sistemática e meta-análise. Foi certificado pelo programa Sharpen Your Communication Skills da Stanford Graduate School of Business. Atualmente é revisor científico do Vitalismo. Seus interesse incluem entender como aplicar o conhecimento das pesquisas científicas com os melhores níveis de evidência no desenvolvimento de tecnologias para melhorar a saúde das pessoas. Nos momentos livres, gosta de estudar idiomas (atualmente fala Inglês, Chinês Mandarim e Alemão), fazer leituras, acompanhar debates inteligentes, jogar basquete e experimentar diferentes culinárias.

Este artigo não possui comentários
      Deixe seu comentário

      O seu endereço de email não será publicado.