Bruxismo em Crianças: É o Ranger de Dentes? O Que Fazer?

    A presença do bruxismo em crianças tem sido cada vez mais frequente (de cada 100 crianças, até 40 delas chegam a ter o problema) (1) e preocupante.

    Afinal, essa condição pode causar vários problemas para a saúde da boca.

    Em geral, o surgimento do bruxismo em crianças pode ocorrer por diferentes fatores.

    E você sabe quais são eles?

    Nesse artigo você irá conhecer o que pode causar essa condição durante a infância.

    Além disso, saberá como se dá o seu tratamento nesses casos.

    O que provoca bruxismo infantil?

    O bruxismo em crianças, que se caracteriza pelo ranger dos dentes de modo inconsciente, é considerado uma doença com etiologia (causa) multifatorial. Ou seja, vários fatores podem estar associados com o seu desenvolvimento. Mas, de maneira geral, seu surgimento pode estar relacionado com questões psicológicas ou com alterações na boca.

    Sendo assim, crianças podem desenvolver bruxismo quando os seus dentes de baixo e de cima não estão alinhados.

    Além disso, também pode surgir por conta de dores de dente ou de ouvido.

    Isso porque as crianças podem começar a ranger os seus dentes para tentar aliviar a dor que estão sentindo.

    Por fim, o estresse ou outros fatores psicológicos (2,3) também são capazes de levar ao bruxismo em crianças.

    Entretanto, vale lembrar que nem sempre é possível saber o que, de fato, está causando essa condição.

    Sintomas de bruxismo em crianças

    Em geral, alguns sintomas podem surgir em crianças que possuem bruxismo, como:

    • Rangido dos dentes ao dormir
    • Dores de cabeça frequentes
    • Estalidos e outros ruídos no ouvido
    • Dores nos músculos da face (do rosto)

    Inicialmente, os responsáveis pela criança demoram a descobrir a presença dessa condição.

    Isso porque as crianças não costumam saber que têm ranger de dentes quando dormem.

    Portanto, dificilmente relatam aos responsáveis que isso está acontecendo.

    Por isso, é muito importante que eles fiquem atentos a presença desse e de outros sintomas.

    Por exemplo, é possível observar se surgem sons semelhantes ao da mastigação, enquanto a criança dorme, pois isso pode ser sinal da ação de ranger ou apertar os dentes (4).

    Como descobrir o bruxismo em crianças?

    A suspeita pode surgir no momento em que os responsáveis observam o aparecimento de possíveis manifestações dessa condição, sobretudo, o ranger de dentes ao dormir.

    Ao desconfiar que seu filho tem esse problema, você pode procurar um dentista habilitado em cuidar da saúde bucal de crianças, o odontopediatra.

    Esse profissional irá avaliar o caso e identificar as possíveis causas.

    Caso a condição seja identificada, o odontopediatra irá tratá-la e fazer o encaminhamento para outros profissionais da área da saúde, quando necessário.

    Por fim, vale lembrar que é importante que os responsáveis estejam atentos ao aparecimento de qualquer tipo de manifestação diferente do comum ou alteração de comportamento por parte das crianças.

    Por vezes, as mudanças de comportamentos e reclamações por parte delas podem indicar que algo não está indo bem com a sua saúde.

    Tratamento

    Em princípio, ainda não existem boas evidências científicas para apontar o melhor tratamento dessa condição em crianças (5,6).

    Como o quadro costuma ser complexo, é importante contar com a participação de diferentes profissionais de saúde para o acompanhamento dos casos.

    Assim sendo, o acompanhamento odontológico regular é importante, pois pode diminuir os danos causados na boca pelo ranger de dentes.

    Entretanto, nem sempre o tratamento envolve apenas esse profissional, pois o bruxismo infantil pode estar associado a diferentes causas.

    Por isso, é comum que o dentista necessite encaminhar a criança a outros profissionais para avaliação e tratamento em conjunto.

    Em certos casos de bruxismo em crianças, pode ser necessário encaminhá-las para avaliação com psicólogos e psiquiatras para um tratamento mais integral.

    Por fim, também pode ser preciso a intervenção de fisioterapeutas e fonoaudiólogos.

    Este artigo te ajudou?
    (Autor)

    Natural de Alfenas, Minas Gerais, Mateus Beker é discente de graduação no curso de bacharelado em Odontologia pela Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG). Atualmente, é bolsista do MEC pelo Programa de Educação Tutorial (PET) - Odontologia, instituído na Universidade Federal de Alfenas.Possui atividades de pesquisa relacionadas a ação anti-inflamatória de extratos e compostos bioativos de produtos naturais, assim como sobre a associação de determinadas variáveis no surgimento de lesões de origem endodôntica. Além disso, desenvolve trabalhos nas áreas de Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial e Estomatologia.Outras áreas de seu interesse incluem Cirurgia Bucomaxilofacial e Implantodontia.Ele foi admitido na equipe do Vitalismo no ano de 2021. Como escritor especializado para os assuntos que abrangem a área Odontológica e outras temáticas relacionadas à saúde, procura apresentar informações de forma objetiva e compreensível, além de demonstrar a importância da procura por orientação adequada.

    William Fan (Revisor)

    William Fan é médico graduado pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) - Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB). Fez estágios clínicos em Oncologia Clínica e Medicina de Emergências na Prince of Wales Hospital, afiliada da University of New South Wales, Sydney, Australia (UNSW) e que faz parte do prestigiado Group of Eight, grupo que reúne as 8 instituições líderes de excelência em ensino e pesquisa da Austrália. Além disso, colaborou no desenvolvimento de um projeto científico da Centre for Vascular Research, na UNSW. Tem também publicações científicas em periódicos (revistas) internacionais de impacto na comunidade científica em áreas de pesquisa experimental e pesquisa clínica, abrangendo as áreas de biologia do câncer, doenças cardiovasculares, além de ser co-autor de uma revisão sistemática e meta-análise. Foi certificado pelo programa Sharpen Your Communication Skills da Stanford Graduate School of Business. Atualmente é revisor científico do Vitalismo e entusiasta da conciliação entre as pesquisas científicas com os melhores níveis de evidência e o desenvolvimento de tecnologias para melhorar a saúde das pessoas. Nos momentos livres, gosta de estudar idiomas (atualmente fala Inglês, Chinês Mandarim e Alemão), fazer leituras, acompanhar debates inteligentes, jogar basquete e experimentar diferentes culinárias.

    Este artigo não possui comentários
        Deixe seu comentário

        O seu endereço de email não será publicado.