Giardíase: Mais uma Causa de Diarreia? Veja como se Prevenir

    Você já sabe o que é giardíase?

    Esta é uma doença causada por um parasita microscópico (impossível de se ver a olho nu), a Giardia lamblia ou Giardia duodenalis (1).

    Saiba que a giárdia se encontra na água, alimentos e superfícies contaminadas.

    Assim, a giardíase é uma das doenças transmitidas pela água mais comuns que temos e importante causa de diarreias em milhões de pessoas pelo mundo.

    Por isso, é importante saber como você pode se infectar com essa doença para saber de que forma pode se prevenir.

    E é sobre isso que esse artigo vai tratar!

    Além disso, você ainda vai conhecer os sintomas que a giardia causa e quando buscar um médico.

    Então, vamos nessa?

    Como ocorre a transmissão da giardíase?

    A giárdia é um protozoário que pode parasitar o intestino de humanos e outros animais. Uma pessoa ou animal que esteja infectado com ele, eventualmente acaba eliminando o parasita pelas fezes. Dessa forma, quantidades minúsculas de fezes (invisíveis aos olhos) contendo a giárdia podem acabar contaminando a água, alimentos e outras superfícies.

    A infecção por giárdia, causando a giardíase, ocorre então ao se ingerir o parasita.

    Isso pode ocorrer das seguintes formas:

    Bebendo água contaminada

    De modo geral, esta é a maneira mais comum pela qual ocorre a transmissão da doença.

    Isso porque o parasita pode se estabelecer em lagos, lagoas, rios e riachos.

    Assim como nas fontes das praças, piscinas, parques aquáticos e spas.

    As piscinas, spas e parques aquáticos são geralmente contaminados acidentalmente por crianças com fraldas ou pessoas com diarreia.

    Além disso, águas subterrâneas, como as de minas ou poços artesianos, também podem estar contaminadas caso haja despejo de esgoto ou resíduos animais nas proximidades.

    Comendo comida contaminada

    A contaminação da comida ocorre normalmente de duas formas:

    • Pelo manuseio dos alimentos por uma pessoa contaminada que não lavou as mãos da forma adequada
    • Pela lavagem dos alimentos crus (como, legumes, verduras ou frutas) com água não tratada e contaminada

    Assim sendo, é possível contrair a giardíase ao consumir alimentos contaminados.

    Contato com pessoa contaminada

    A transmissão da giardíase também pode ocorrer caso a pessoa contamine as suas mãos com fezes.

    Isso pode ocorrer de maneira imperceptível (com frações de fezes que não são visíveis).

    Geralmente esse tipo de contágio ocorre com os pais, ao trocar as fraldas dos bebês, ou nas creches.

    Mas vale lembrar que o contágio também pode ocorrer por meio do sexo anal.

    Fatores de risco

    Em princípio, a giardíase é uma doença muito comum e qualquer pessoa pode se contaminar.

    Entretanto, existem alguns grupos de risco, os quais possuem maior chance de contrair a doença.

    Eles podem incluir:

    • Crianças: em crianças, o contato com fezes costuma ser mais comum, principalmente na fase em que estão usando fraldas ou aprendendo a usar o banheiro. Além disso, pessoas que trabalham com crianças, por consequência, também apresentam maior risco
    • Pessoas sem acesso à água potável: a giárdia pode contaminar a água. Portanto, pessoas que não possuem água tratada para consumo têm maiores chances de beber água contaminada pelo parasita
    • Homens que fazem sexo com homens: como a transmissão também ocorre pelo sexo anal, homens que fazem sexo com homens sem utilizar camisinha, possuem maior risco de contágio

    Quais são os sintomas da giardíase?

    Algumas pessoas nunca chegam a desenvolver qualquer sinal ou sintoma da doença.

    Mas, para aqueles que têm sintomas, eles costumam aparecer entre uma ou três semanas após a contaminação pela giárdia.

    Os sintomas incluem:

    • Diarreia aquosa, com cheiro desagradável e que podem alternar com fezes moles ou gordurosas
    • Fadiga (cansaço)
    • Cólicas abdominais
    • Inchaço no abdômen
    • Gases
    • Náuseas
    • Perda de peso

    Esses sintomas costumam durar de duas a seis semanas.

    No entanto, em algumas pessoas eles podem durar até mais de seis semanas ou reaparecer depois de um tempo de alívio.

    E quando devo procurar um médico?

    Você deve procurar um serviço de saúde caso apresente diarreia, cólicas e náuseas se elas durarem mais de uma semana ou caso fique desidratado.

    Complicações

    Essa doença não costuma ser fatal, no entanto, apresenta complicações, sobretudo em crianças.

    As mais comuns são:

    • Desidratação: a diarreia grave pode causar perda excessiva de água do corpo
    • Atraso no desenvolvimento: a diarreia, se presente por longos períodos, pode causar desnutrição na criança, levando a atrasos no desenvolvimento físico e mental (2)
    • Intolerância à lactose: muitas pessoas afetadas pela doença acabam desenvolvendo intolerância a lactose (a proteína do leite) (3)
    • Redução da qualidade de vida (4)

    E como você pode se proteger dessa doença?

    Prevenção contra a giardíase

    Não existe nenhum medicamento ou vacina que proteja contra a giardíase.

    Entretanto, existem algumas precauções que podem ser tomadas a fim de diminuir as chances de contágio.

    Comportamentos e atitude incluem, portanto:

    • Sempre lavar bem as mãos, principalmente antes de manusear alimentos e após usar o banheiro ou trocar fraldas
    • Apenas consumir água tratada e própria para beber
    • Sempre lavar alimentos crus com água tratada
    • Sempre evitar o consumo de água de piscinas, lagos e riachos
    • Usar camisinha durante o sexo anal

    Por fim, caso você venha a apresentar a doença com sintomas e que não melhoram, seu médico pode considerar a prescrição de medicamentos, como metronidazol ou tinidazol (5).

    Este artigo te ajudou?
    (Autor)

    Como graduando do curso de Medicina da Universidade Estadual Paulista (UNESP) - Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB) e escritor do Vitalismo tenho como propósito trazer informações sobre saúde de qualidade e baseadas em evidências científicas com uma linguagem de fácil acesso para toda a população. Ingressei no curso de Medicina em 2018 por vocação e amor ao cuidado. Agora tenho a oportunidade de levar essa minha paixão para todos leitores do Vitalismo. Além disso, sou fundador da Liga de Empreendedorismo, Gestão e Inovação da UNESP e atualmente sou coordenador da Liga de Ortopedia de Botucatu.

    William Fan (Revisor)

    William Fan é médico graduado pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) - Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB). Fez estágios clínicos em Oncologia Clínica e Medicina de Emergências na Prince of Wales Hospital, afiliada da University of New South Wales, Sydney, Australia (UNSW) e que faz parte do prestigiado Group of Eight, grupo que reúne as 8 instituições líderes de excelência em ensino e pesquisa da Austrália. Além disso, colaborou no desenvolvimento de um projeto científico da Centre for Vascular Research, na UNSW. Tem também publicações científicas em periódicos (revistas) internacionais de impacto na comunidade científica em áreas de pesquisa experimental e pesquisa clínica, abrangendo as áreas de biologia do câncer, doenças cardiovasculares, além de ser co-autor de uma revisão sistemática e meta-análise. Foi certificado pelo programa Sharpen Your Communication Skills da Stanford Graduate School of Business. Atualmente é revisor científico do Vitalismo. Seus interesse incluem entender como aplicar o conhecimento das pesquisas científicas com os melhores níveis de evidência no desenvolvimento de tecnologias para melhorar a saúde das pessoas. Nos momentos livres, gosta de estudar idiomas (atualmente fala Inglês, Chinês Mandarim e Alemão), fazer leituras, acompanhar debates inteligentes, jogar basquete e experimentar diferentes culinárias.

    Este artigo não possui comentários
        Deixe seu comentário

        O seu endereço de email não será publicado.