Hormônios: Descubra as “Mensagens” que eles Transmitem

    Os hormônios são os mensageiros bioquímicos do nosso corpo.

    Você já tinha escutado esse tipo de informação alguma vez?

    Além disso, você sabe quais os tipos de hormônios que possuímos? Seriam os do metabolismo? Sexuais? Do crescimento?

    Se está em dúvida ou ficou curioso para aprimorar seu conhecimento sobre o assunto, veio ao lugar certo.

    Neste artigo, você vai entender qual o papel dos hormônios, suas classificações e a importância para a manutenção da vida.

    Quais são os hormônios?

    Os hormônios podem ser classificados, conforme sua estrutura química, nos seguintes grupos: peptídicos, esteroides e derivados de aminoácidos simples. Dentre eles, os mais conhecidos de cada classe são: insulina e GH (peptídicos); testosterona e estrogênio (esteroides); e a adrenalina e a melatonina (derivados de aminoácidos simples).

    Agora que você entendeu a divisão estrutural, conheça também algumas das funções dos hormônios:

    • Crescimento
    • Controle do metabolismo (como uso da energia a partir dos alimentos)
    • Função sexual
    • Reprodução
    • Regulação do humor

    Mas afinal, como se produz esses “mensageiros bioquímicos”?

    Produção de hormônios no corpo

    Primeiramente, a produção dos nossos hormônios ocorre em um grupo de células especiais chamadas de glândulas endócrinas (1).

    Sendo que essas glândulas ficam espalhadas em diferentes partes do nosso corpo (2).

    Como exemplo, temos:

    • Hipófise (3) (localizada na “base do cérebro”)
    • Tireoide (posicionada na parte anterior do pescoço, abaixo do “pomo de adão”)
    • Suprarrenais (como o nome diz, estão nos polos superiores dos rins)
    • Pâncreas (encontrado na região posterior – “atrás” do estômago)
    • Ovários
    • Testículos

    É por meio dessas glândulas que os hormônios são secretados a fim de cumprir suas funções no organismo.

    Após a sua produção, eles “viajam” por meio da corrente sanguínea para comunicar o que os tecidos devem fazer.

    Como exemplo: durante o desenvolvimento de uma criança, o corpo libera altas quantidades de GH (hormônio do crescimento).

    Na adolescência ou no início da fase reprodutiva, ocorre maior liberação de testosterona nos homens e estrógeno nas mulheres.

    Aliás, todas essas substâncias bioquímicas produzidas são essenciais, pois regulam o funcionamento de todo nosso corpo.

    Naturalmente o controle dos níveis hormonais ocorre ao longo do desenvolvimento humano e durante toda a vida.

    Mas afinal, como se controla ou se regula tudo isso?

    Pode-se dizer que esse controle acontece por meio de uma “cascata de reações” ou uma “sequência de sinalizações”, em que um hormônio irá regular o outro (4).

    Como funciona o controle hormonal?

    A princípio, o “sistema de cascata” funciona como uma hierarquia onde os hormônios hipotalâmicos controlam os hipofisários e esses regulam as glândulas ou órgãos alvo.

    Para facilitar a compreensão, vamos imaginar o cenário de uma fábrica.

    Sendo que nessa empresa, o setor da diretoria executiva, ou de comando da alta hierarquia, ficará localizado no hipotálamo (5) (um pouco acima da hipófise).

    Aliás, vamos para uma observação: tenha em mente que o cérebro é composto por algumas partes, sendo uma delas o diencéfalo.

    E é justamente dentro do diencéfalo que encontramos o hipotálamo.

    Já o setor de gerência, uma hierarquia intermediária, estará presente na hipófise.

    Esta é uma glândula minúscula, do tamanho de uma ervilha, que repousa dentro da cavidade do osso esfenóide (que faz parte do crânio, a estrutura óssea da cabeça).

    Por fim, os operários dessa fábrica, ou a base da hierarquia serão as glândulas e/ou os órgãos alvo.

    Nesse exemplo, vamos usar de modelo os “hormônios sexuais” como a testosterona e o estrógeno.

    Imagine que a rotina dessa fábrica começa com os diretores executivos solicitando o trabalho dos gerentes (que, por sua vez, irão cobrar os operários).

    No nosso organismo, isso equivale à seguinte ideia.

    Quando o GnRH (hormônio liberador de gonadotrofina), localizado no hipotálamo (“diretoria”), é ativado, ele desce até a hipófise.

    Ao chegar até a hipófise (“gerência”), ele sinaliza para que os hormônios FSH (folículo estimulante) e LH (luteinizante) sejam liberados.

    Com isso, após viajar pela corrente sanguínea, eles chegarão aos testículos e ovários (órgãos sexuais masculino e feminino, respectivamente).

    Isso resultará em um novo sinal para que ocorra a produção dos hormônios sexuais nos órgãos sexuais (“os operários”, ou a base da hierarquia).

    Feedback negativo

    Existe também um mecanismo que atua para que haja um equilíbrio na produção, de forma a garantir a homeostase (equilíbrio entre todos os sistemas do organismo).

    Chama-se feedback negativo (6) e você poderá ver uma ilustração de como ele funciona a seguir.

    Conforme os operários “terminam o trabalho”, ou seja, produzem os hormônios, eles avisam os gerentes que conseguiram atingir essa meta.

    Os gerentes, por sua vez, avisam os diretores executivos.

    Portanto, é como se as altas quantidades dos hormônios sexuais que foram produzidos servissem também para enviar mensagens.

    Ou seja, sinalizam para as partes superiores da hierarquia, que os hormônios hipofisários (“da gerência’’) e hipotalâmicos (“da diretoria executiva”) podem diminuir as suas produções.

    Inclusive, vale lembrar que esse exemplo não vale apenas para as substâncias específicas mencionadas, mas também para os outros tipos hormonais.

    Dessa forma, você acabou de aprender o mecanismo de “feedback negativo”, que é fisiológico (ocorre naturalmente no nosso organismo).

    Além disso, entendeu também quais são as classificações dos hormônios, suas funções e a sua importância.

    Então, aproveite para compartilhar agora o artigo com outras pessoas que podem se beneficiar com este conteúdo.

    Este artigo te ajudou?
    (Autor)

    Olá! Meu nome é César Lima, sou técnico em química formado pela ETEC Dr. Celso Giglio (2017) e estudo nutrição na Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP-USP). Atualmente, participo do Projeto Unificado de Bolsas da Universidade de São Paulo (PUB-USP) desenvolvendo um trabalho coordenado pelo Professor Dr. Wolney Lisboa Conde juntamente do Laboratório de Avaliação Nutricional de Populações (LANPOP) com o intuito de produzir materiais de estudo baseados em entrevistas com importantes pesquisadores brasileiros (Carlos Augusto Monteiro, Renata Bertazzi Levy, Malaquias Batista Filho, Cesar G. Victora) nas áreas de "epidemiologia nutricional" e "avaliação nutricional" essencialmente. Além disso, possuo experiência com controle de qualidade em Unidades de Alimentação e Nutrição (UAN), ministrando treinamentos para novos estagiários. Nos momentos livres gosto de ler e principalmente me exercitar.

    William Fan (Revisor)

    William Fan é médico graduado pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) - Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB). Fez estágios clínicos em Oncologia Clínica e Medicina de Emergências na Prince of Wales Hospital, afiliada da University of New South Wales, Sydney, Australia (UNSW) e que faz parte do prestigiado Group of Eight, grupo que reúne as 8 instituições líderes de excelência em ensino e pesquisa da Austrália. Além disso, colaborou no desenvolvimento de um projeto científico da Centre for Vascular Research, na UNSW. Tem também publicações científicas em periódicos (revistas) internacionais de impacto na comunidade científica em áreas de pesquisa experimental e pesquisa clínica, abrangendo as áreas de biologia do câncer, doenças cardiovasculares, além de ser co-autor de uma revisão sistemática e meta-análise. Foi certificado pelo programa Sharpen Your Communication Skills da Stanford Graduate School of Business. Atualmente é revisor científico do Vitalismo e entusiasta da conciliação entre as pesquisas científicas com os melhores níveis de evidência e o desenvolvimento de tecnologias para melhorar a saúde das pessoas. Nos momentos livres, gosta de estudar idiomas (atualmente fala Inglês, Chinês Mandarim e Alemão), fazer leituras, acompanhar debates inteligentes, jogar basquete e experimentar diferentes culinárias.

    5 Comentários
    1. Avatar

      Beatriz

      5 de maio de 2021 às 21:44

      Sensacional!!!! Ótimo texto

      Responder
    2. Avatar

      beatriz lima

      5 de maio de 2021 às 22:29

      Muito inteligente o conteúdo! Passado de forma clara e legal para entender!

      Responder
    3. Avatar

      Pedro Henrique

      5 de maio de 2021 às 23:04

      Muito brabo, Césinha!!! Fé demais em você, irmão. Muito sucesso e reconhecimento pra você!!

      Responder
    4. Avatar

      Bruna

      6 de maio de 2021 às 08:49

      Que texto maravilhoso!!!

      Responder
    5. Avatar

      mônica alegrussi

      10 de maio de 2021 às 17:41

      que texto! o conteúdo ficou muito bem explicado, sucesso!!

      Responder
      Deixe seu comentário

      O seu endereço de email não será publicado.