Plano de Saúde para Gestante: Conheça os Seus Direitos

    É provável que, se você sonha em ser mãe, tenha considerado um plano de saúde para gestante.

    Isso porque a gravidez é um momento único e especial e seu acompanhamento é prioridade.

    Por isso, no Brasil, o plano de saúde para gestante pode proporcionar a você uma gestação mais tranquila, do jeito que você sempre quis, contando com profissionais capacitados.

    Mas você sabe quais são os seus direitos na hora de planejar e ter o seu parto em uma rede privada de saúde?

    Nesse artigo você vai entender sobre as características do plano de saúde para gestantes.

    Além disso, vai ler sobre os seus direitos nesse momento tão especial.

    Qual o plano de saúde que cobre parto?

    Se você tem o desejo de engravidar, o plano de saúde para gestante ideal é um plano hospitalar com obstetrícia. Nessa modalidade de plano, você vai ter cobertura completa de exames e consultas relacionados ao pré-natal, assistência ao parto e assistência ao recém-nascido por até 30 dias após o parto (1).

    Quando devo procurar o plano de saúde para gestante?

    A melhor opção, sem dúvidas, é buscar e contratar o plano de saúde antes da gravidez.

    Ou seja, se você tem o desejo de ser mãe ou já está se planejando para isso, esse é o melhor momento para contratação do plano.

    Dessa forma, você vai poder utilizar o serviço completo desde a gestação até o pós parto com maior tranquilidade.

    Isso porque todos os exames e consultas relacionados com o pré-natal já estarão cobertos pelo seu plano com obstetrícia.

    Além disso, de acordo com a lei (2), a carência para cobrir assistência ao parto pode chegar até 300 dias (o equivalente a 10 meses).

    Isso significa que você precisará aguardar esses 300 dias, a partir da contratação do plano, para ter direito à cobertura do parto.

    Sendo assim, a contratação antes da gravidez garante a cobertura do parto.

    No entanto, se você já está grávida, mesmo que o parto não possa ser feito através do plano de saúde, você ainda pode escolher um plano para os demais exames e consultas que não possuem tempo de carência tão longo.

    Além disso, caso você já esteja grávida, a adesão a um plano pode ser muito vantajosa, pois você pode receber atendimento no caso de qualquer complicação até a 37ª semana.

    Isso porque as complicações se enquadram como urgência e emergência e, portanto, não têm tempo de carência.

    O plano cobre o médico que eu escolher?

    Para ser atendida por um médico com quem você se identifica, antes de escolher um plano de saúde, é importante verificar a rede de atendimento do plano.

    Ou seja, os hospitais e a equipe médica que trabalham com este plano.

    Já que o plano irá cobrir somente os procedimentos feitos pela equipe e nos hospitais de sua rede.

    No entanto, vale lembrar que, em caso de urgência e emergência, o plano tem obrigação de cobrir os procedimentos mesmo que sejam feitos fora da rede.

    Direitos do parto no plano de saúde para gestante

    Por ser um momento muito importante para as mulheres, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), instituiu uma série de direitos (3) que devem ser preservados pelo plano de saúde para gestante:

    • Partograma: instrumento para acompanhar a evolução do trabalho de parto
    • Cartão de gestante: contém todos os dados da gestação e informações sobre os tipos de parto
    • Termo de consentimento livre e esclarecido para a cirurgia cesariana: contém as indicações e riscos da cesariana de forma clara
    • Percentuais de cirurgias cesáreas e partos normais por estabelecimento e profissional: taxa de cesárea por médico e por hospital
    • Acompanhante: você tem direito a um acompanhante de sua escolha durante o trabalho de parto
    • Cobrança de honorários: o plano de saúde obstétrico cobre todo procedimento do pré-natal e parto. Por isso, a cobrança de qualquer taxa de disponibilidade para realização do parto, por parte do médico, é proibida

    Projeto parto adequado

    Além de todos esses direitos, a ANS, em parceria com o Hospital Israelita Albert Einstein e o Institute for Healthcare Improvement, e com apoio do Ministério da Saúde, desenvolvem o projeto Parto Adequado (4).

    De maneira geral, esse projeto tem como objetivo incentivar boas práticas baseadas em evidências médicas que valorizem o parto normal.

    Como consequência, podem reduzir o número de cesarianas desnecessárias.

    Dessa forma, caso isso esteja dentro do seu interesse, você pode verificar se o plano de saúde que está pesquisando faz parte desse projeto.

    Este artigo te ajudou?

    Graduanda em enfermagem pela Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB - UNESP). Entrei na faculdade movida pela paixão e vocação de cuidar e ajudar as pessoas.Aqui no Vitalismo, tive oportunidade de alcançar e ajudar muitas pessoas além de meus pacientes.Desde o início da faculdade, minha área de interesse e vocação é a saúde da mulher (ginecologia e obstetrícia). Por isso, sempre estive envolvida em projetos de iniciação científica e de extensão que abordassem essa temática.Já fui presidente da liga de ginecologia da UNESP, organizei eventos e simpósios sobre o tema.Atualmente sou coordenadora do projeto Papo de Parto, em parceria com a UNESP e PROEX. Além disso, se você estiver em algum evento de ginecologia e obstetrícia, pode me procurar pois estarei lá!

    William Fan (Revisor)

    William Fan é médico graduado pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) - Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB). Fez estágios clínicos em Oncologia Clínica e Medicina de Emergências na Prince of Wales Hospital, afiliada da University of New South Wales, Sydney, Australia (UNSW) e que faz parte do prestigiado Group of Eight, grupo que reúne as 8 instituições líderes de excelência em ensino e pesquisa da Austrália. Além disso, colaborou no desenvolvimento de um projeto científico da Centre for Vascular Research, na UNSW. Tem também publicações científicas em periódicos (revistas) internacionais de impacto na comunidade científica em áreas de pesquisa experimental e pesquisa clínica, abrangendo as áreas de biologia do câncer, doenças cardiovasculares, além de ser co-autor de uma revisão sistemática e meta-análise. Foi certificado pelo programa Sharpen Your Communication Skills da Stanford Graduate School of Business. Atualmente é revisor científico do Vitalismo e entusiasta da conciliação entre as pesquisas científicas com os melhores níveis de evidência e o desenvolvimento de tecnologias para melhorar a saúde das pessoas. Nos momentos livres, gosta de estudar idiomas (atualmente fala Inglês, Chinês Mandarim e Alemão), fazer leituras, acompanhar debates inteligentes, jogar basquete e experimentar diferentes culinárias.

    Este artigo não possui comentários
        Deixe seu comentário

        O seu endereço de email não será publicado.