Transtorno de Estresse Agudo: Um Mês Revivendo Traumas

Você sabe o que é o Transtorno de Estresse Agudo (TEA)? (1,2)

O TEA não é igual ao estresse “comum” que podemos sentir no nosso dia a dia!

O estresse é uma reação natural do corpo e da mente que acontece diante de um evento que pode ser estressor.

Dessa forma, uma demanda ou um desafio que acontece no decorrer da vida podem ser fatores estressores.

Por exemplo, uma briga com o parceiro íntimo, problemas no trabalho, entre outras situações diárias que podem ocorrer.

Já no Transtorno de Estresse Agudo, o estresse, que é uma reação comum do corpo, se torna um transtorno que traz grande sofrimento ao indivíduo que convive com ele.

Vamos conhecer mais sobre o TEA?

O que é o Transtorno de Estresse Agudo? (3)

O Transtorno de Estresse Agudo é caracterizado pelo desenvolvimento de sintomas específicos que acontecem poucos dias após a exposição a um ou mais eventos traumáticos. Por exemplo, ter lembranças e sonhos frequentes e angustiantes relacionados ao evento traumático. Além disso, a vivência dos eventos traumáticos pode ser direta ou indireta.

Nesse sentido, é possível desenvolver o Transtorno de Estresse Agudo ao vivenciar situações traumáticas como uma violência sexual ou combate civil.

No entanto, o TEA também pode ocorrer em quem ouve falar da situação de pessoas próximas (familiares ou amigos) que passaram por um evento traumático.

Além disso, também pode ocorrer com pessoas que são expostas de forma extrema aos detalhes aversivos (repulsivos) desse tipo de eventos (como no caso de socorristas e policiais).

Diferente do Transtorno de Estresse Pós-Traumático, os sintomas de TEA ocorrem geralmente logo após o evento traumático, mas persistem por no mínimo 3 dias e no máximo um mês. 

Mas o Transtorno de Estresse Agudo muitas vezes pode evoluir para um quadro de Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT) que é mais prolongado (4).

Ou seja, nos casos de TEPT os sintomas persistem por mais de um mês, sem melhora.

Mas então, quais são os sintomas de TEA?

Sintomas do TEA (5,6)

Alguns dos sintomas comuns do Transtorno de Estresse Agudo incluem:

  • Sintomas dissociativos, por exemplo, sentir ou agir como se o evento traumático estivesse acontecendo novamente (flashbacks)
  • Sofrimento psicológico intenso ou prolongado 
  • Incapacidade persistente de vivenciar emoções positivas (humor negativo) como sentimentos de felicidade e satisfação
  • Alteração do senso de realidade em relação a si mesmo ou ao ambiente em que está, por exemplo, se ver através da perspectiva dos outros
  • Não conseguir lembrar de aspectos importantes do evento traumático que não acontece por uso de drogas, álcool ou traumatismo craniano
  • Esforço para evitar recordações, pensamentos e sentimentos angustiantes relacionados ao evento traumático
  • Esforço para evitar lembranças que desperte recordações do evento traumático como pessoas, lugares, objetos, entre outras coisas
  • Dificuldade de começar a dormir ou manter o sono, assim como ter o sono agitado 
  • Surtos de raiva que podem se iniciar com pouca ou nenhuma provocação e podem acontecer na forma de agressão verbal ou física (contra pessoas ou objetos)
  • Vigilância em excesso
  • Problemas de concentração
  • Reações físicas exageradas quando há estímulos inesperados, por exemplo, expressar o susto com barulhos altos

No TEA, estão presentes no mínimo nove dos sintomas citados acima.

Pessoas com TEA também podem ter ataques de pânico no primeiro mês após o evento traumático e sentir culpa excessiva pelo evento ocorrido por achar que poderia ter o impedido de alguma forma.

Assim, os sintomas causam grande sofrimento na pessoa que tem o transtorno bem como prejuízos no meio social, profissional e pessoal.

Do mesmo modo, os sintomas não acontecem devido a uso de medicamentos ou outras condições médicas.

Tratamento do Transtorno de Estresse Agudo (7)

O Transtorno de Estresse Agudo traz grande sofrimento para quem tem o transtorno.

Desse modo, é importante buscar ajuda profissional se você desconfia que está com sintomas de TEA.

O tratamento do TEA pode envolver psicoterapia ou uso de medicamentos que devem ser indicados por um bom profissional.

No entanto, algumas outras atitudes podem ajudar a pessoa com o Transtorno de Estresse Agudo a se sentir melhor, como:

  • Ter consciência que faz parte de um ambiente seguro e que seus familiares e amigos também estão em segurança pode ajudar a processar o trauma
  • Cuidar da saúde física, por exemplo, ter uma boa alimentação e praticar exercícios físicos, já que as experiências traumáticas podem influenciar na saúde física
  • Tentar manter uma rotina
  • Praticar Hobbies (atividades que causam prazer) com familiares e amigos

Este artigo te ajudou?

Olá! Meu nome é Sandy Rodrigues, sou estudante de psicologia na Universidade Federal Fluminense (UFF) com previsão de formação para o segundo semestre de 2023. Faço parte como voluntária de um projeto de extensão que pesquisa sobre a saúde de professores, nesse projeto são realizadas entrevistas que visam entender a dinâmica de trabalho e buscar meios de melhorar a saúde desse trabalhador. Também sou bolsista de iniciação científica para desenvolvimento de aplicativos para estimulação cognitiva de idosos e crianças. Além disso, tenho diversos cursos extracurriculares na área de psicologia, como o III curso introdutório da liga acadêmica de autismo da UNIFESP e o de Neuropsicofarmacologia da LiFaC - UFF, sempre em busca de mais conhecimento a fim de me tornar uma profissional ética e comprometida. Para além da faculdade, passo meu tempo me arriscando na confecção de bolos e procurando o passatempo perfeito (séries e livros têm sido boas escolhas). Atualmente escrevo para o Vitalismo com o intuito de contribuir com a disseminação de informações seguras e acessíveis, levando maior conhecimento para as pessoas a respeito de diversos temas que atravessam a psicologia.

William Fan (Revisor)

William Fan é médico graduado pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) - Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB). Fez estágios clínicos em Oncologia Clínica e Medicina de Emergências na Prince of Wales Hospital, afiliada da University of New South Wales, Sydney, Australia (UNSW) e que faz parte do prestigiado Group of Eight, grupo que reúne as 8 instituições líderes de excelência em ensino e pesquisa da Austrália. Além disso, colaborou no desenvolvimento de um projeto científico da Centre for Vascular Research, na UNSW. Tem também publicações científicas em periódicos (revistas) internacionais de impacto na comunidade científica em áreas de pesquisa experimental e pesquisa clínica, abrangendo as áreas de biologia do câncer, doenças cardiovasculares, além de ser co-autor de uma revisão sistemática e meta-análise. Foi certificado pelo programa Sharpen Your Communication Skills da Stanford Graduate School of Business. Atualmente é revisor científico do Vitalismo. Seus interesse incluem entender como aplicar o conhecimento das pesquisas científicas com os melhores níveis de evidência no desenvolvimento de tecnologias para melhorar a saúde das pessoas. Nos momentos livres, gosta de estudar idiomas (atualmente fala Inglês, Chinês Mandarim e Alemão), fazer leituras, acompanhar debates inteligentes, jogar basquete e experimentar diferentes culinárias.

Este artigo não possui comentários
      Deixe seu comentário

      O seu endereço de email não será publicado.